Notícias da Sangha

A testemunha

Dharma Mountain, julho 26, 2014

140720-NO-RAAHI-9406

O silêncio se assentou na Dharma Mountain. Depois de duas semanas com o mínimo de comunicação, estamos aptos a enxergar melhor tudo o que é criado pela mente. Camada por camada, descascamos as ideias de quem pensamos ser, apoiados por uma variedade de meditações.

140720-NO-RAAHI-9375140720_NO_Sujan_105140720_NO_Sujan_049140720_NO_Sujan_059

E aos poucos, o observador em nós mesmos vem à tona. Observando a mente e os seus truques. Observando as ideias – sobre nós mesmos, sobre os outros. Observando as emoções, o sorriso, a lágrima, que está presente em nós.

140725-NO-RAAHI-0222140725_NO_Sujan_046

Observando nosso pé descalço, encontrando o chão. A canção dos pássaros, o som mutante do rio – distante, perto.

Observando, e não sendo tão levados pelo que observamos.
A paz do silêncio. O silêncio da paz.

Agora, podemos parar.

E curtir a nós mesmos, mais limpos, puros. Mais o nosso Eu real.
Mais pertos do Amado.

Que vida abençoada!

140725_NO_Sujan_079140725_NO_Sujan_064140720_NO_Sujan_156140720_NO_Sujan_143140720_NO_Sujan_130140720-NO-RAAHI-9468140724-NO-RAAHI-6036140724-NO-RAAHI-6013

Quando eu digo parar, significa parar a tagarelice mental. Não se involva, aprenda a arte do testemunhar, de observar a mente. Significa não estar identificado com os pensamentos. Isso é o que significa parar.

E então, a partir deste sentar fazendo nada – relaxando no seu ser – o silêncio pode surgir, com uma nova consciência que normalmente está escondida pela tagarelice mental. Aí o silêncio virá e te beijará. E ele só fará isso quando você estiver pronto e disponível.

Vasant Swaha

140724_NO_Sujan_047140725_NO_Sujan_119140717-NO-RAAHI-9186